PROCURA FORNECEDOR?

PRESIDENTE DA ABRAFESTA DÁ DICAS PARA O MERCADO DE CASAMENTO

Perceber que o casamento – no sentido mais amplo da palavra, enquanto instituição, ritual, cerimônia, formato e mercado – se transformou de forma definitiva na última década é um fato. Da mesma forma, comemorar o fato de vivermos, pela primeira vez na história, ouso afirmar, o “auge do casamento por amor”, com noivos cada vez mais participativos, românticos e antenados fez o mercado ganhar um boom capaz de movimentar 16 bilhões em um ano de Brasil à beira da crise, em 2014, é um marco positivo. Mas, é preciso ressaltar também que as consequências desta bridal euphoria vivida nos últimos anos pode trazer consequências desastrosas não apenas para os noivos, mas para a sobrevivência do próprio mercado. Por isso, fomos atrás daquela que, desde 2009, ajuda e muito à regulamentar e gestar a saúde do mercado de casamento no Brasil, a ABRAFESTA.

Ricardo Dias Presidente da Abrafesta

Uma das associações mais respeitadas no meio de eventos do Brasil, a Associação Brasileira de Eventos tem hoje à frente da sua presidência o empresário Ricardo Dias que conversou conosco na sede da instituição, em São Paulo. Ricardo é sucessor da fundadora Vera Simão e segue comprometido em fornecer informações essenciais aos profissionais de eventos, especialmente diante dos desafios econômicos que o país enfrenta hoje. Os associados recebem orientações sobre inovações no setor, adoção das melhores práticas, importância da qualidade e da capacitação permanente.

Atuante no mercado de casamentos desde 1993, Ricardo Dias começou sua carreira como DJ de festas do jet set paulistano. A qualidade do som que sempre apresentou fez seu nome ganhar projeção e, hoje, ele tem na empresa de mesmo nome uma das principais fornecedoras de som e iluminação da capital paulista. Em abril de 2015, Ricardo foi eleito e aceitou o desafio de comandar a ABRAFESTA por entender que sua experiência na gestão de sua própria empresa e seu olhar atento à movimentação dos profissionais poderia colaborar nesta missão. Deu certo.

Em nossa conversa, Ricardo Dias pontuou como enxerga o mercado de casamentos no Brasil nos dias de hoje com dicas para noivos garantirem suas festas no padrão que desejam e profissionais sobreviverem no mercado de forma saudável.

Manoela Cesar entrevista Ricardo Dias Presidente da ABRAFESTA

MC: Ricardo, estamos vivendo um período desafiador em nosso país. Mas é costume dizer que o casamento fica um pouco “imune” à crise, porque ninguém deixa de casar. Como você enxerga este momento atual?

RD: Os brasileiros não estão deixando de casar nem celebrar. Mas o que a gente percebe é uma busca por alternativas para ‘enxugar’ os gastos. Os noivos negociam mais. E a lista de convidados está reduzindo. Então, é preciso entender o que priorizar e, do ponto de vista do profissional, é preciso se fazer indispensável. Ser criativo. Quem conquista noivos por sua criatividade e originalidade dificilmente terá problemas com a crise.

MC: Qual a sua dica para os noivos que precisam acertar na escolha do fornecedor diante deste cenário?

RD: É importante contar com profissionais. Parece simples, mas não é. Quem de fato é profissional neste mercado? É o profissional que deve ser contratado e não o amador, aquele que faz tudo de orelhada. É um risco enorme para um dia único. É o profissionalismo e a experiência da empresa que devem pesar na hora da escolha. Um bom profissional irá mensurar o sonho do casal e equilibrar os desejos de ambos às opções que o mercado oferece e de acordo com o valor que estão dispostos a investir.

MC: O que a ABRAFESTA considera ser um profissional de eventos?

RD: O profissional é aquele que sabe crescer sua empresa de forma duradoura. Ou seja, aquele que entende que sua empresa não poderá dizer ‘sim’ para todo cliente que aparecer se a empresa ainda não tiver equipe suficiente nem rendimentos mensais capazes de dar conta daquele cliente. Saber dizer não a um cliente é muito importante. É difícil, mas importante.

MC: Nem sempre faturar mais significa fazer a empresa crescer, né? E o preço, como calcular?

RD: Exato. É preciso dimensionar tudo, planilhar entradas e saídas mensais e com base nisso crescer até onde o pé alcança. Pode ser mais lento mas com certeza mais seguro. Crescer muito rápido sem planejamento pode levar a uma vida útil muito curta. E claro, entender que toda empresa tem um custo fixo mensal (impostos, funcionários, etc) e calcular este custo quando precificar o seu produto ou serviço – e não oferecer uma concorrência desleal com preços irrisórios que vão tornar insustentável manter a empresa a média prazo.

“Quem conquista noivos por sua criatividade e originalidade se faz indispensável e dificilmente terá problemas com a crise”

Ricardo Dias, presidente da ABRAFESTA

MC: Como se tornar um associado da ABRAFESTA?

RD: Se o profissional quer fazer parte da associação isso já demonstra uma pré-disposição a ser um profissional correto, uma maturidade de querer estar entre os melhores. Na ABRAFESTA proporcionamos uma troca de conhecimento entre os profissionais, em grupos específicos. Supostos concorrentes quando trocam informações valiosas se ajudam muito. Concorrentes não são inimigos, são amigos. É importante trocar experiências. Para estar na ABRAFESTA é preciso nos procurar e seguir nossas orientações para estar em conformidade com nossos critérios. Em breve, teremos um atendimento no Rio de Janeiro. 

MC: E vem aí o Selo de Conformidade da ABRAFESTA. O que significa este selo?

RD: O selo é um filtro extremamente técnico e, portanto, os critérios são muito objetivos, o que deixa as coisas muito transparentes. A gente faz um levantamento do histórico da empresa e estando tudo em dia, existe esta chancela técnica. Questões jurídicas, SERASA, Reclame Aqui, tudo é visto. Se existe alguma questão, a associação orienta para que qualquer pendência seja solucionada. A instituição oferece ainda apoio jurídico para tratar os temas do Estatuto, Leis de Proteção à Marcas e Patentes, Normas e Regulamentações e assuntos relacionados aos associados e conta com três escritórios de advocacia. Ter o selo é garantia de ser bem visto aos olhos dos clientes e do mercado.