PROCURA FORNECEDOR?

Susana Esteves Pinto fala sobre Casar em Portugal

Presença confirmadíssima como palestrante em nosso WeddingLab 2017 Rio-Lisboa (que honra!), a super Susana Esteves Pinto, jornalista portuguesa editora da revista The Destination e do blog de casamento português que a gente mais ama, o Simplesmente Branco, nos dá uma entrevista bem bacana, na qual compartilha conosco dicas valiosas para os noivos brasileiros que desejam um destination wedding em Portugal!

Conheci Susana pessoalmente ano passado, quando fui à convite dela palestrar em Lisboa na The Destination International Wedding Conference que reuniu 5 blogueiras internacionais de casamento para falar sobre o que mais gostamos: as diferentes formas de celebrar o amor e como isso pode fomentar um importante e crescente mercado de Destination Wedding.

susana

MC: Susana, você está à frente de um dos principais veículos de comunicação para noivos de Portugal e realizou ano passado a primeira grande conferência de Destination Wedding do país, o que você guarda como grande saldo de toda esta experiência?

Susana Esteves: Sem grandes reflexões, os laços que se constroem, claro! Num segundo momento, começo por dizer que trabalhamos com dois públicos diferentes: os noivos portugueses e os noivos estrangeiros. Aos primeiros, adoramos mostrar boas ideias e apresentar serviços de qualidade, partilhando também bons conselhos. Descobrir novos talentos e ajudá-los a crescer é algo que nos dá muito prazer e fazer tudo isso de forma quotidiana, nos últimos 7 anos, é muito interessante, sentimos que de alguma forma elevamos a qualidade e moldamos o mercado nacional, cultivando uma certa visão, gosto e estilo de casamento que são muito contemporâneos e internacionais, sempre de forma doce e atenciosa. Aos noivos estrangeiros, apresentamos Portugal como “o” destino para casar, demonstrando de forma simples e lógica, quanto é fácil se apaixonar por este país! Temos fornecedores de muita qualidade, a paisagem e o clima, a gastronomia, a paisagem e os espaços. A nossa proposta de serviços, pelo mesmo custo, apresenta mais valor.

Ao pensarmos na The Destination – international wedding conference, pegamos em todo esse know how e decidimos apresentá-lo a um conjunto de influencers internacionais: quem somos, como destino de casamento, qual é a nossa identidade, a nossa assinatura e visão, o que fazemos e como o fazemos – e por isso proporcionamos 3 dias de experiências únicas e maravilhosas, às nossas convidadas. Para a audiência, quisemos trazer conhecimento específico sobre mercados específicos que nos interessam: Brasil, Estados Unidos, Europa do Norte. Que público é esse, o que procura, como o podemos servir da melhor forma. Foi uma troca de conhecimento incrível, construímos pontes transatlânticas e um ano depois, estamos colhendo frutos.

“Apresentamos Portugal como “o” destino para casar, demonstrando de forma simples e lógica, o quanto é fácil se apaixonar por este país! Temos fornecedores de muita qualidade, a paisagem, o clima, a gastronomia e os mais belos espaços”

MC: Como você avalia o movimento mundial pelo Destination Wedding?

Susana Esteves: O mundo virou global: tem de tudo em todo o lado, toda a gente viaja, a informação está disponível 24/7, na sua mão. Plataformas como o Pinterest democratizaram o imaginário de casamento, antes exclusivamente local ou regional. Não sei se hoje em dia se casa mais no estrangeiro, verdadeiramente, a diferença é que todos temos acesso a essas imagens e todos sonhamos com essas imagens maravilhosas de algo diferente, mais ou menos exótico, do que temos em casa. Os noivos russos sonham com um casamento com vista de mar, os brasileiros adoram o regresso às origens e o charme da velha Europa, os irlandeses ficam loucos com a comida e o clima, entre tantas outras histórias e motivações, mais ou menos práticas. Portugal está na frente de todo o mundo, e é muito fácil se apaixonar por esse país pequeno de tamanho e imenso de variedade, tão fotogênico. Casar em modo destination é todo um conjunto de experiências em modo ampliado – menos pessoas, mais tempo de qualidade passado com elas, é um concentrado de amor e intimidade feliz, fortíssimo, partilhado, vivido intensamente – e é esse o grande fator diferenciador, o motor desse movimento.

MC: Você pode dar 5 dicas gerais para os noivos que pretendem se casar em um destination wedding? 

Susana Esteves: Escolher um destino, claro! Refletir nas razões da escolha, de forma a definir que tipo de evento vai ser e o impacto que terá na lista de convidados, não apenas no número, mas também nas acessibilidades, entretenimento, duração da viagem, orçamento e muitas outras variantes que têm influência na vida das pessoas. A seguir, algo fundamental: burocracia e assuntos legais, locais e no destino. É indispensável estar corretamente informado, as regras podem ser diferentes lá e cá, para evitar surpresas desagradáveis! Contratar um wedding planner local: ninguém melhor do que ele conhecerá os procedimentos e formalidades, saberá o que fazer, quem contactar, como gerir, como resolver, como aconselhar. Será o vosso braço direito e o maior anti-stress!

Tirar partido do destino, ao máximo: afinal, há razões fortes para a escolha, verdade? Tanto trabalho para criar esse dia mágico, vale aproveitar até ao último minuto: seja continuar viajando pelo próprio país ou países próximos (sobretudo se é um destino com muitas horas de voo de distância), seja proporcionando experiências maravilhosas aos convidados, mergulhem na cultura local e se divirtam muito! Por último, confiar e relaxar. São condições fundamentais para poder casar fora de casa, fora da zona de conforto: vai haver fuso horário diferente e muitos Km de distância, vai haver uma língua diferente e mal-entendidos na comunicação, vai haver cultura e hábitos diferentes, ritmos diferentes, tudo é diferente… mas foi por isso mesmo que vocês decidiram casar num outro destino! Assimilem a diferença, contratem bons profissionais e simplifiquem, confiem no serviço, confiem no vosso instinto e relaxem, junto da família e amigos, no mais bonito dos dias, tudo vai correr bem!

MC: E em um destination wedding em Portugal, existem fatores específicos a serem considerados (como clima, datas festivas)?

Susana Esteves: Em Portugal, o clima é mediterrânico, temperado. Nunca faz muito frio, nunca faz muito calor. Os casamentos de inverno podem ser muito especiais, porque há cenários interiores que são muito espetaculares e intimistas (palácios, hotéis, pousadas), e os casamentos de verão têm uma luz incrível, até às 9h da noite, com noites longas e estreladas. A época começa no fim de Abril e estende-se até ao fim de Novembro, sendo Junho, Julho e Setembro (juntamente com Agosto, o nosso verão), os meses de pico – pelo que convém dar início aos preparativos com bastante antecedência, se estes forem os vossos meses de eleição (o primeiro fim-de- semana de Setembro é “o” fim-de- semana do ano!)

MC: E para os noivos brasileiros que pensam em casar na Europa, o que você poderia dizer para mostrar que Portugal tem tudo para ser a melhor opção? 

Susana Esteves: O principal fator diferenciador e facilitador (que é um assunto muito importante): a língua portuguesa. Nos dias de hoje, os fornecedores portugueses são tão bons quanto os franceses, espanhóis ou italianos: igualmente criativos, igualmente profissionais, igualmente antenados com as tendências do momento. Temos espaços, e paisagens igualmente mágicos, uma gastronomia premiada e vinhos de excelência, tal como os outros. Estamos globalmente sintonizados e somos globalmente equivalentes. Em termos de preço, não somos necessariamente mais baratos – isso é uma ideia errada – mas oferecemos mais valor, pelo mesmo custo – isso é uma característica da hospitalidade portuguesa! Quando estamos numa posição de algum desconforto, de alguma fragilidade e muita ansiedade – como é preparar um casamento à distância, que envolve um investimento financeiro imenso e é, de certa forma um ato de fé (que vai tudo correr bem, que é o que sonhamos, que os nossos pais vão gostar e compreender, etc.) – eliminarmos a barreira da língua e conseguirmos comunicar, de forma clara o que queremos e o que não queremos, ter a certeza de que compreendemos o que foi dito e que o outro lado nos compreendeu a nós, é uma garantia de conforto e de segurança.

MC: A mesa de doces dos dois países são bastante diferentes. Conte para a gente como é uma tradicional mesa de doces portuguesa para casamentos? Que doces não podem faltar? E como são apresentados estes doces?

Susana Esteves: Os portugueses são, claramente, felizes à mesa! Faz parte da nossa herança mediterrânica e uma mesa farta é um bem essencial em qualquer casamento português. No entanto, a mesa de doces não tem importância ou destaque, mesmo com tanta tradição de doçaria conventual que existe pelo país, podendo nem ser incluída no menu da festa (e quando é, é de forma impessoal, escolhendo de uma lista convencional de opções). Já o bolo dos noivos tem conhecido, com muita graça, alguma inovação! Pode ser tradicional, às camadas, coberto de fondant, ou um naked cake com fruta fresca, mas já vimos torres de pasteis de nata, gelado de nata com molho de morango da tradicional gelataria Conchanata, um singelo bolo de bolacha (o meu bolo favorito, típico da década de 70 e 80!). Pode acontecer ser aberto logo no final da cerimônia civil ou religiosa, com champagne e antes do cocktail, a seguir à refeição substituindo a sobremesa ou ao fim da noite, antes de abrir a pista. Neste assunto, há espaço de facto para que seja à escolha dos noivos, os seus gostos pessoais, as suas memórias e a sua visão sobre a festa. É um assunto muito democrático e livre de convenções!

MC: Quais são os itens essenciais que podem fazer um Destination Wedding ser uma experiência única e estilosa?

Susana Esteves: Vamos considerar que um destination wedding é uma festa com a família e amigos (não um elopement a dois). Neste cenário, diria que o item essencial, que é amplo, é a experiência que se proporciona, independentemente do formato que tem (clássico e super elegante, black tie, descontraído, de pé descalço na praia, rústico e romântico numa vinícola, etc.). Pensar e preparar 2 ou 3 dias únicos, que juntam, nas mesmas circunstâncias, as nossas pessoas do coração, para celebrar o amor de duas pessoas, é mágico. Nunca percam isso de vista: não é sobre o vestido, não é sobre a maquilhagem, não é sobre a publicação das imagens num qualquer blog internacional, não é sobre 37 razões materiais. É sobre um pico de amor, partilhado no seu expoente máximo (e mais bonito), com quem nos quer bem…

MC: Como você avalia o atual momento do mercado de casamento em Portugal?

Susana Esteves: Continua a florescer, a renovar-se. Como qualquer mercado apetecível, terá fornecedores melhores e fornecedores piores, mais profissionais e menos profissionais. Mas é claramente um mercado dinâmico, bastante criativo e sintonizado com as tendências do momento, competitivo, com alguma maturidade e com espaço para se tornar cada vez mais profissional. O crescimento a que assistimos nos últimos 7 anos, desde que o Simplesmente Branco surgiu online, foi nada mais do que incrível e fantástico de se assistir!